• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Zagueiros craques decidem, e Brasil avança, sofrendo

 Zagueiros craques decidem, e Brasil avança, sofrendo
Digiqole ad

O Brasil que está a dois jogos de ganhar o hexa tem mais craques na defesa do que no ataque. Isso ficou provado mais uma vez nesta sexta-feira, em Fortaleza, na vitória por 2 a 1 sobre a Colômbia, que colocou o time de Felipão nas semifinais da Copa, quando irá enfrentar a Alemanha.

Com Neymar apagado e substituído por causa de uma contusão que pode virar um drama nacional nos próximos dias, David Luiz e Thiago Silva, a dupla de zaga mais cara do mundo, precisaram fazer o de sempre, evitar os gols do rival, e ainda decidir na frente. Cada um marcou uma vez, com um tento em cada etapa.

E conseguiram suportar a pressão de um jogo que se desenhava fácil, mas que acabou em drama, com os colombianos em busca no empate nos últimos 15 minutos de bola rolando. Pena, para os brasileiros, que eles não estarão em campo diante dos alemães: Thiago Silva levou o segundo cartão amarelo e está suspenso.

Felipão começou o jogo com duas mudanças. A primeira, forçada pela suspensão de Luiz Gustavo. Paulinho voltou ao time titular. A outra foi por opção mesmo do treinador. Cansado de ver Daniel Alves falhando na marcação e nada fazendo no ataque, ele escalou Maicon na lateral direito, como já ensaiava nos treinos na Granja Comary.

O argentino José Pekerman, técnico da Colômbia, também mudou o time, colocando Guarín, da Inter de Milão, no lugar de Agular, do Toulose. E também não manteve Jackson Martinez no ataque, optando por Ibargo, deixando o time, na teoria, menos ofensivo.

E novamente nada da torcida estar dividida. Os colombianos no Castelão não eram nem 5 mil dos pouco mais de 60 mil presentes. Cantaram o hino alto.

Na execução do hino brasileiro, desta vez nenhum jogador brasileiro chorou. O capitão Thiago Silva fechou os olhos, mas nada de lágrimas.

O time nacional começou o jogo pressionando a saída de bola dos colombianos. o goleira Ospina tentava tocar a bola nas cobranças de tiro de meta, e fazia seu time correr riscos. Deu certo a estratégia montada por Felipão. Logo aos 7min, o Brasil abriu o placar.

Neymar cobrou escanteio pelo lado esquerdo, a bola passou por David Luiz, mas encontrou Thiago Silva no segundo pau. Ele só escorou para marcar seu primeiro gol na Copa. Na comemoração, socos no próprio peito e também dos companheiros.

O Castelão foi à loucura, mas a Colômbia começou a tocar a bola para tentar equilibrar o jogo. Aos 11min, Cuadrado chutou, a bola tinha direção certeira, mas Thiago Silva conseguiu desviar para escanteio. Mas foi um lance isolado.

Os colombianos pareciam apavorados. James Rodríguez mal tocava na bola. Os cruzamentos para a área de Ospina faziam os visitantes sofrer. Aos 20min, Hulk quase fez o segundo. Paulinho mostrava o futebol que o consagrou no Corinthians e na Copa das Confederações, aparecendo com frequência no ataque como elemento surpresa.

Aos 27min, Hulk outra vez exigiu grande defesa do goleiro colombiano. E o Brasil foi para o intervalo sem ter um placar mais folgado, apesar do volume de jogos, e chances criadas, muito maior do que a equipe visitante.

Pekerman mudou o time na volta para o segundo tempo, mas ainda sem apelar a Jackson Martínez. Ele tirou o tímido Ibarbo para a entrada de Adrian Ramos.

O jogo, que já era faltoso na primeira etapa, passou a ser até violento no segundo tempo. Mas nada fazia o árbitro espanhol Carlos Velasco Carballo mostrar o cartão amarelo. O Brasil começou o jogo com seis pendurados. Mas um lance tolo fez Felipão suar frio.

Aos 19min, Thiago Silva bloqueou uma saída de bola de Ospina, e levou o amarelo. Ele era um dos pendurados, e assim não vai enfrentar a Alemanha na semifinal.

A tensão só aumentava. Aos 21min, a Colômbia marcou o que seria o gol de empate, mas o bandeirinha, corretamente, apontou impedimento. O próximo a ser amarelado foi o apagado James Rodríguez, por entrada em Hulk. Em lance que custou caro para a Colômbia.

Na cobrança da falta, aos 23min, David acertou chute cheio de curva, e a bola entrou no ângulo de Ospina. Foi o primeiro gol de falta da seleção em Copas desde 2002.

Mas esta seleção brasileira não consegue fazer um jogo fácil nesta Copa. Aos 32min, James Rodríguez enfim apareceu. Ele lancou Bacca, que foi derrubado por Júlio César. Pênalti cobrado, e convertido, três minutos depois pelo próprio James. Foi o sexto gol do camisa 10 na Copa, abrindo vantagem para os rivais na luta pela artilharia.

O Brasil se assustou. O time não conseguia segurar a bola, e a Colômbia passou a pressionar. Felipão tentou reverter a situação com duas trocas. Ramires e Hernanes entraram nos lugares de, respectivamente, Hulk e Paulinho.

Tudo piorou aos 43min, depois que Zuniga deu entrada dura em Neymar. O craque do Brasil foi substituído por Henrique. Foi direto para o vestiário, de maca, e virou forte dúvida para o jogo contra os alemães, daqui a apenas quatro dias.

Mas o Brasil conseguiu segurar a pressão e avançou.

A seleção volta para Teresópolis ainda nesta sexta-feira. O time deve embarcar para Belo Horizonte, palco da semifinal diante dos alemães apenas na segunda-feira, véspera do jogo no estádio do MIneirão.

FICHA TÉCNICA:
BRASIL 2 X 1 COLÔMBIA

Local: Castelão, em Fortaleza (CE)
Data: sexta-feira, 4 de julho de 2014
Horário: 17h (de Brasília)
Público: 60.342
Árbitro: Carlso Velasco Carballo (ESP)
Assistentes: Roberto Alonso Fernandes e Juan Yuste (ambos ESP)
Gols: Thiago Silva, aos 7min do primeiro tempo; David Luiz, aos 23min, James Rodríguez, aos 35min do segundo tempo
Cartões amarelos: Thiago Silva, Júlio César (BRA); James Rodríguez (COL)

BRASIL: Júlio César; Maicon, Thiago Silva, David Luiz e Marcelo; Fernandinho, Paulinho (Hernanes) e Oscar; Hulk (Ramires), Fred e Neymar (Henrique)
Técnico: Luiz Felipe Scolari

COLÔMBIA: Ospina; Zuniga, Zapata, Yepes e Armero; Guarín, Sánchez, Cuadrado (Quintero), Ibarbo (Adrian Ramos) e James Rodríguez; Gutierrez (Bacca)
Técnico: José Pekerman

 

Crédito: ESPN

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat