• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Sonda chega à Terra para ganhar impulso e encontrar com cometa

Digiqole ad

A sonda espacial europeia Rosetta, um projeto de um bilhão de euros (US$ 1,5 bilhão), passará perto da Terra nesta sexta-feira e, nessa passagem ganhará impulso e velocidade para realizar o encontro com um cometa no espaço remoto em 2014. Os cientistas da ESA, agência espacial europeia, se entusiasmam com a perspectiva de ver de perto Rosetta, lançada ao espaço em 2004.

A sonda espacial faz uma viagem de 10 anos e 7,1 bilhões de km que deve levá-la a um encontro com um dos cometas que percorrem o sistema solar. Segundo as previsões, Rosetta deve se encontrar com o cometa 67/P Churyumov-Gerasimenko em maio de 2014, antes de lançar um pequeno laboratório, do tamanho de um frigorífico, batizado Philae, que vai se ancorar à superfície da rocha em busca de pistas sobre o passado do Sistema Solar.

Depois, Rosetta seguirá o cometa durante dois anos, estudando o mesmo na viagem ao redor do Sol. Mas para isto, a sonda precisa primeiro ganhar velocidade e a gravidade da Terra, utilizada como um estilingue, é a chave.

Às 7h46 GMT (5H46 de Brasília) de sexta-feira, a Rosetta se encontrará no ponto de seu percurso mais próximo do planeta. O aparelho sobrevoará o Oceano Índico a 2.480 km de altitude ao sul da ilha indonésia de Java. Passará sobre a Terra a uma velocidade de 13,3 km por segundo, ou seja, 47,8 mil km/h, segundo a agência espacial. A ajuda da gravidade aumentará a velocidade da nave em 3,5 km/s (12.960 km/h).

A sonda dirigirá seu sistema de vídeo, Osiris, para a Lua em busca de água. Outros instrumentos vão escanear a atmosfera terrestre e a magnetosfera em busca de auroras, a espetacular colisão entre o campo magnético de nosso planeta e as partículas procedentes do Sol. Antes de se aproximar em 2014 do cometa 67/P Churyumov-Gerasimenko, a sonda passará perto de outro asteróide, o 21 Lutetia, em julho de 2010.

Os astrônomos acreditam que conhecer mais os cometas, formados por destroços que datam de quando nasceu o Sistema Solar, ajudará a compreender a formação dos planetas e o início da vida na Terra.

 

Crédito: Terra

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat