• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Renan marca para próxima segunda sessão que vai eleger comissão especial do impeachment

 Renan marca para próxima segunda sessão que vai eleger comissão especial do impeachment
Digiqole ad

* Com informações da Agência Senado

Acatando a sugestão do senador Aécio Neves (PSDB-MG), Renan Calheiros marcou para segunda-feira, dia 25, a sessão de eleição da comissão especial que vai analisar o processo de impeachment. O presidente do Senado disse ainda que, cumprindo a Lei, vai transferir a presidência do julgamento para o presidente do STF, Ricardo Lewandowski, depois da votação da admissibilidade do processo de impeachment.

Os líderes dos partidos começaram, na tarde desta terça-feira, a fazer indicações dos membros da comissão especial que vai analisar o impeachment da presidente Dilma Rousseff. Logo após o presidente do Senado, Renan Calheiros, conceder prazo de 48 horas para que os nomes fossem entregues à Mesa Diretora, os primeiros líderes anunciaram seus indicados.

• Senadores gaúchos defendem novas eleições e falam sobre impeachment

• Senadores apresentam questões de ordem sobre impeachment de Dilma

O bloco formado por PSDB e DEM indicou os senadores Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), Antônio Anastasia (PSDB-MG), Cássio Cunha Lima (PSDB-PB) e Ronaldo Caiado (DEM-GO). O bloco que reúne PTB, PR e PSC indicou os senadores Wellington Fagundes (PR-MT) e Zezé Perrela (PTB-MG) como titulares. Foram indicados para compor as vagas do Bloco Socialismo e Democracia os senadores Romário (PSB) e Fernando Bezerra Coelho (PSB) como titulares e para suplentes Roberto Rocha (PSB) e Cristovam Buarque (PPS).

Os senadores iniciaram também uma discussão sobre o prazo para a instalação da comissão especial. Ronaldo Caiado e Ricardo Ferraço apresentaram questões de ordem, argumentando que os nomes dos membros deveriam ser imediatamente comunicados pelos líderes, e a eleição da comissão deveria ser realizada na sessão de hoje.

Caiado disse que, nos casos de blocos parlamentares que não fizerem a indicação hoje, o plenário deveria fazer a eleição dos indicados e permitir a instalação imediata da comissão. Posteriormente, na opinião de Caiado, o próprio plenário faria a eleição dos membros que estivessem faltando.

Em seguida, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ), apresentou questão de ordem no sentido contrário e reivindicando o direito dos governistas de ter o prazo completo de dois dias para indicarem seus nomes.

“Nós estamos falando de um processo contra uma presidenta da República. Nós não queremos, aqui, sermos atropelados. É isso o que está acontecendo. Não dá para aceitar alguns discursos de gente que passou um ano e quatro meses paralisando o país e, nessa crise política, quer tirar o nosso direito por causa de dois dias”, alegou.

Renan Calheiros rejeitou a questão de ordem da oposição e argumentou que está seguindo a determinação da lei, ao conceder o prazo de 48 horas para as indicações. “Não posso passar para a história como alguém que está atropelando um prazo de 48 horas para os líderes indicarem suas bancadas. Eu não vou me prestar a esse papel, nem para um lado, nem para o outro”, disse.

Diante dos questionamentos insistentes da oposição, o presidente do Senado disse que remeteria os recursos para análise da Comissão de Constituição e Justiça da Casa, o que atrasaria a decisão. E ameaçou pedir a antecipação da transferência da presidência do Senado Federal para o presidente do Supremo Tribunal Federal para dirimir qualquer dúvida.

Foto: Ana Volpe / Agência Senado / CP

 

Crédito: http://correiodopovo.com.br/Noticias/Politica/2016/04/584939/Renan-marca-para-proxima-segunda-sessao-que-vai-eleger-comissao-especial-do-impeachment

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat