• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Rejeitada proposta para pagar magistério em parcela única

Digiqole ad

O projeto de reajuste do magistério gaúcho será apreciado na Assembleia Legislativa, na tarde desta terça-feira, tal qual foi enviado pelo governo do Estado. Durante reunião de líderes, os deputados não aprovaram a contraproposta dos professores para pagamento em parcela única dos 23,5% oferecidos pelo Executivo. A sugestão de emenda ao projeto foi encaminhada pela presidente do Cpers-Sindicato, Rejane de Oliveira. A proposta do deputado Márcio Biolchi (PMDB) de adiar a votação para a semana que vem também não foi aceita.

Às 14h, quando for aberta a sessão, os deputados devem apreciar o requerimento de preferência para votar a emenda do deputado Frederico Antunes (PP), que pede que, em 60 dias após a publicação da lei do reajuste, o Executivo apresente projeto de lei sobre o pagamento do piso nacional de R$ 1.451 para 40 horas semanais. Estão sendo distribuídas 160 fichas para professores acompanharem a votação no plenário.

Mais de mil professores de várias regiões do Estado se concentraram na Praça da Matriz, em frente ao Palácio Piratini, no Centro de Porto Alegre, na manhã desta terça-feira, onde participaram de assembleia geral do Cpers-Sindicato.

Pressão do Piratini

Por volta das 8h, o chefe da Casa Civil, Carlos Pestana, convocou uma reunião com deputados da base aliada para tentar convencê-los a defender o projeto de reajuste do Executivo. O deputado Gerson Burmann (PDT) contou que, no encontro, Pestana explicou as limitações orçamentárias do governo. Conforme ele, o aumento oferecido ao magistério seria o máximo possível no momento.

 

Crédito: Rádio Guaíba

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat