• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Projeto quer acabar com uso de animais em ritos religiosos

 Projeto quer acabar com uso de animais em ritos religiosos
Digiqole ad

Um projeto de lei em discussão na Assembleia Legislativa pode acabar com o sacrifício de animais em cultos de religiões de matriz africana. Pela proposta da deputada estadual Regina Becker Fortunati, conhecida por defender a causa animal, fica vetada a lei estadual de 2004 que permite o livre exercício de uso de bichos nos rituais. 

Projeto quer vetar sacrifício de animais nas cerimônias de umbanda e cultos afro

Em discussão nesta semana nas Comissões de Saúde e Meio Ambiente e Constituição e Justiça da AL, o projeto tem provocado mobilizações favoráveis dos defensores de animais e contrárias de entidades umbandas e africanistas de várias regiões do Estado que desde a manhã de terça-feira estão acampadas na Praça da Matriz, em frente à Assembleia. A manifestação encerra nesta quinta-feira com uma caminhada até o Mercado Público, às 16h. 

 

“O animal para nós é sagrado”

Integrante do Conselho Unidos Pelo Axé, a Mãe Souvenir de Oxum, defende que o projeto, além de ferir o que já está na lei, persegue as religiões de matriz africana e não aceita a livre expressão religiosa. Diferente do posicionamento dos defensores da lei, Mãe Souvenir explica que o animal não é sacrificado, mas sacralizado nos rituais. 

– A sacralização tem todo um preparo, não é feito com dor, é uma santificação, elevamos ele ao orixá. O animal para nós é sagrado, é patrimônio cultural. O que a gente faz não tem nada a ver com crueldade e negatividade – assegura. 

Costumam ser usados animais como galinha, cabrito, ovelha, porco e peixe que, segundo os religiosos, são consumidos por eles após a conclusão do ritual. 

Além de se mobilizar contra a lei da deputada Regina, as tendas de entidades religiosas de matriz africana montadas em frente a Assembleia tocam tambor, fazem rezas e rodas de batuque na tentativa de conscientizar a população sobre os rituais e as diferentes religiões de origem africana.

Trabalhos em esquinas e encruzilhadas é outra coisa, diz Mãe Souvenir de Oxum

Além de tentar derrubar o projeto de lei, os grupos tentam desmistificar o que chamam de preconceito sobre os rituais. Segundo Mãe Souvenir de Oxum, os trabalhos com animais mortos comumente vistos em esquinas e encruzilhadas nada tem a ver com os práticas das religiões de matriz africana. Estas, conforme ressalta, são feitas apenas nos templos. 

– Todo o resto é qualquer outra coisa, mas não o que fizemos. Pessoas má intencionadas tentam nos prejudicar fazendo isso, não é desta maneira que fazemos nosso ritual. Nosso trabalho também é de conscientização. Cultuamos a natureza e jamais vamos poluí-la. 

“Meu objetivo é acabar com sofrimento animal”, argumenta deputada

Em entrevista ao DG, a deputada Regina Becker explica que seu projeto de lei pretende acabar com uma exceção no Código Estadual de Proteção aos Animais, que passou a valer em 2004, dando liberdade para as religiões de matriz africanas utilizarem animais em seus rituais, o que, segundo ela, é inconstitucional. Para Regina, não é possível manter em vigor uma lei que beneficia “exclusivamente” um determinado grupo. 

– Estamos aqui para propor, cobrar e fazer leis que tenham caráter constitucional e que, quando não tem, devem ser questionadas e revistas. A Constituição Federal estabelece o direito a diversidade religiosa e o direito a vida, o que inclui os animais. O meu objetivo é única e exclusivamente acabar com o sofrimento animal. 

Também defensora da causa animal, a advogada criminal ambiental especializada em direitos dos animais, Luana Michels, defende que a liberdade religiosa não será afetada pelo impedimento do uso dos animais. 

– Eles tem liberdade de culto mas fazem questão de usar o sangue do animal como desculpa que fortificará os desejos das pessoas. A sacralização é o nome que eles deram para matar animais em rituais. Nenhum outro estado do Brasil permite isso.

COMO É E O QUE PODE MUDAR

O QUE DIZ A LEI
O Código Estadual de Proteção aos Animais passou a valer em 2003. Um ano depois a Assembleia aprovou um artigo, por 32 votos a 2, que autoriza o abate de animais em rituais de religiões de matriz africana.

O QUE O PROJETO DE LEI PREVÊ
No início de fevereiro deste ano, a deputada estadual Regina Becker Fortunati propôs um projeto de lei que derruba este artigo proibindo então a imolação de bichos nestas práticas. Ou seja, se for aprovada passaria a valer a versão original do Código Estadual de Proteção aos Animais que não permitia a morte de animais nestas circunstâncias.

O QUE ESTÁ ACONTECENDO 
Entidades religiosas de matriz africanas questionam a constitucionalidade do projeto de Regina que esta semana foi discutida em duas audiências públicas de diferentes comissões da Assembleia: a de Saúde e Meio Ambiente e Constituição e Justiça.

O QUE VAI ACONTECER
Antes de ir a votação no plenário, a proposta deve ser discutida e aprovada pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Caso não seja, nem será apreciada pelos deputados. Se for aprovada, entra na pauta de votação da Assembleia, o que ainda não há data para ocorrer. 

 

 

Crédito: http://diariogaucho.clicrbs.com.br/rs/dia-a-dia/noticia/2015/03/projeto-quer-acabar-com-uso-de-animais-em-ritos-religiosos-4726129.html

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat