• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Prefeituras investem em políticas públicas de proteção a cães e gatos

 Prefeituras investem em políticas públicas de proteção a cães e gatos
Digiqole ad

A preocupação e o cuidado com cães e gatos têm crescido e motivado a implantação de políticas públicas em municípios da região. O desenvolvimento de campanhas educativas e a criação de secretarias especializadas na proteção animal e de centros de castração para controle da população dos pets já são realidade em muitas administrações. “A castração não é um malefício, em muitos casos é um benefício para o animal”, destaca o gestor técnico do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado, Mateus Lange. Entre os possíveis benefícios destacados por Lange e também pelo professor de cirurgia veterinária da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Marcelo Alievi, está a redução da chance de o animal desenvolver tumores. “Nas fêmeas, a castração precoce reduz a chance de neoplasias mamárias”, destaca Alievi.

Lange lembra que, no que tange à saúde pública, o controle da população, em especial daqueles em situação de rua, diminui a chance de transmissão de doenças, como raiva e leishmaniose, por exemplo. A instalação de centros de castração, como o que começou a funcionar neste mês em Sapucaia do Sul, é regulamentada pelo Conselho Regional. De acordo com Lange, os municípios precisam submeter o projeto à aprovação do órgão, já que os locais devem contar com estrutura cirúrgica adequada.

No caso de Sapucaia do Sul, o novo Centro Municipal de Castração Animal tem capacidade para realizar 70 procedimentos ao mês. Inicialmente, serão castrados animais do Canil Municipal e posteriormente os acolhidos por cuidadores e que já estão cadastrados no município.

Ação semelhante ocorre em Gravataí, que, a partir de parceria entre prefeitura e ONGs protetoras de animais, disponibilizou 2,5 mil castrações para pets de pessoas de baixa renda ou que integram programas sociais. Os primeiros 150 animais realizaram a cirurgia no início do mês. De acordo com o município, a estimativa é de existam entre 12 ou 13 mil cães e gatos de rua.

A colocação de de identificação nos animais é a próxima meta da Prefeitura de Alvorada para controle da população canina. Atualmente, por meio de parcerias com clínicas veterinárias, são realizadas cerca de 70 castrações por mês, além de ações sobre posse responsável. Em Canoas, a Coordenadoria de Bem-Estar Animal desenvolve as atividades. De 2012 até hoje, foram realizadas 5.556 castrações e, até o final do ano, a meta é atingir 6.624 procedimentos. Em março de 2015 serão abertas inscrições para castrações de animais de famílias de baixa renda. Os cães ainda recebem chipagem.

 

Crédito: Correio do povo

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat