• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

PMDB faz hoje congresso com debate sobre distanciamento do PT

 PMDB faz hoje congresso com debate sobre distanciamento do PT
Digiqole ad

Em movimento para se distanciar do PT e do governo Dilma Rousseff, o PMDB promove nesta terça-feira em Brasília (DF) um congresso para tornar pública uma agenda própria que prega reformas econômicas, legais e políticas e uma “unificação do país”. O congresso da Fundação Ulysses Guimarães reunirá a cúpula do partido que comanda sete ministérios e a Vice-presidência da República, mas deve evidenciar as insatisfações com os rumos do governo no maior aliado do PT. O PMDB faz seu congresso com objetivo evidente: se apresentar à sociedade e ao mercado como uma opção para tirar o país da crise, em meio à ameaça de abertura de um processo de impeachment da presidente.

O congresso também debaterá reformas internas no partido, mas não tem caráter deliberativo. A discussão sobre um afastamento em definitivo dos peemedebistas do governo petista deve seguir, cada vez mais pública, até 15 de março do ano que vem, quando o partido realiza seu congresso nacional.

As propostas peemedebistas foram coordenadas por Moreira Franco, aliado de Temer e ex-ministro da Aviação Civil no governo Dilma. O documento propõe reformas e políticas opostas às dos governos petistas, como o aumento da carga tributária defendido por Dilma por meio, por exemplo, da recriação da CPMF.

O PMDB se coloca como partido capaz de formar “uma maioria política, mesmo que transitória ou circunstancial”, enquanto o governo Dilma é classificado como “imobilizado e inerte”. Em paralelo, o vice-presidente da República, Michel Temer, se prepara para apresentar uma defesa independente em caso de eventual cassação na Justiça Eleitoral da chapa que o elegeu vice de Dilma.

O programa que será debatido afirma a necessidade de reaproximação com economias desenvolvidas na Europa, na Ásia e com os Estados Unidos, aumento das concessões à iniciativa privada, mudanças no regime de exploração do petróleo e reformas no sistema da previdência, nos tributos e até na Constituição para alterar a forma de execução do Orçamento.

Apesar de não pregar abertamente uma ruptura, a Fundação Ulysses Guimarães responsabiliza o governo pelo retorno da crise econômica e o agravamento do choque político e de movimentos sociais. “Nos últimos anos é possível dizer que o governo federal cometeu excessos, seja criando novos programas, seja ampliando os antigos, ou mesmo admitindo novos servidores ou assumindo investimentos acima da capacidade fiscal do Estado. A situação hoje poderia certamente estar menos crítica”, diz um trecho do documento.

Foto:Alex Silva/Estadão Conteúdo

 

Crédito: http://veja.abril.com.br/noticia/brasil/congresso-do-pmdb-abre-discussao-sobre-distanciamento-do-pt

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat