• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Pela 2ª vez no governo Dilma, economia sofre freada geral

 Pela 2ª vez no governo Dilma, economia sofre freada geral
Digiqole ad

Pela segunda vez no governo Dilma Rousseff, a economia brasileira sofre uma freada geral, que engloba serviços, indústria, consumo e investimentos.

Como reflexo do pessimismo espalhado entre famílias e empresários, os principais motores da oferta e da demanda pararam juntos no início deste ano.

O consumo da família e o investimento das empresas encolheram, assim como a indústria. O setor de serviços, o mais estável da economia, mostrou avanço de apenas 0,4%.

A última combinação tão ruim de resultados havia acontecido no terceiro trimestre de 2011, depois que, no início do mandato, Dilma tentou conter a escalada do consumo e dos preços herdada de Lula.

Naquele período, a freada econômica assustou a administração petista, que abandonou as metas de inflação e passou a reduzir juros, elevar gastos e intervir mais agressivamente nos negócios privados.

A estratégia, que não conseguiu acelerar o crescimento do Produto Interno Bruto, acelerou a alta dos preços, forçando sucessivas altas do juro entre abril de 2013 e abril deste ano.

O ciclo de aperto monetário derrubou o ânimo de consumidores e investidores -como mostram os dados divulgados hoje- sem reduzir a inflação.

Como saldo do governo, os investimentos e a indústria, termômetros do dinamismo econômico, perderam participação no PIB. O consumo acumula avanço, mas é atendido pelo aumento das importações.

 

Crédito: UOL

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat