• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Nove em cada 10 cidades ainda não têm plano de educação

 Nove em cada 10 cidades ainda não têm plano de educação
Digiqole ad

Em 26 de junho do ano passado, enquanto as atenções dos brasileiros estavam totalmente voltadas para o confronto entre Brasil e Chile pela Copa do Mundo, o Diário Oficial da União publicou o novo Plano Nacional de Educação, sancionado pela presidente Dilma Rousseff. O documento traçava 20 metas que o ensino nacional deverá cumprir até 2024 e concedia um ano para que Estados e municípios elaborassem e concluíssem seus próprios planos, em sintonia com a lei nacional.

A menos de um mês e meio do fim do prazo, o quadro é preocupante. Apenas três unidades da federação já terminaram todo o processo. Outras duas — Rio Grande do Sul e Rondônia — estão com o projeto pronto, à espera de apreciação pelas assembleias legislativas. Os Estados restantes estão mais atrasados, alguns deles sequer elaboraram o documento-base do plano.

 

Se a situação dos Estados inspira preocupação, a dos 5.570 municípios brasileiros é alarmante. Uma parte deles sequer instituiu as comissões que deveriam coordenar a elaboração, primeira das oito etapas do processo. No Rio Grande do Sul, segundo os dados fornecidos pelas prefeituras ao Ministério da Educação, apenas 14 cidades, o equivalente a 2,8% do total, já sancionaram suas leis. 

Mais de 90% ainda não tem o projeto finalizado, em condições de ser encaminhado ao Legislativo. Segundo os números do Ministério da Educação (MEC), haveria 32 municípios gaúchos (6,4% do total) sem comissão coordenadora — embora alguns deles, consultados por Zero Hora, afirmem já ter avançado, ainda que sem comunicar o ministério.

— O prazo é muito curto. Tivemos a Copa do Mundo e o período eleitoral, dois episódios que nos fizeram perder tempo. Então não foi um ano, foram alguns meses. Em todos os nossos encontros, surge o estresse do prazo. As pessoas estão angustiadas. Acredito que muitos municípios não vão conseguir, apesar de sempre orientarmos que o prazo é esse e que ele deve ser cumprido, para que se evitem problemas — diz Salete Cadore, assessora de educação da Federação das Associações de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs).

 

O MEC não informou quais serão as penalidades para Estados e municípios que não estiverem com a lei em vigor até o fim do prazo, 24 de junho, mas os gestores temem sanções, como redução de verbas e cortes em programas. 

 

Secretaria estadual está apreensiva

Em Porto Alegre, cidade onde o processo está avançado, o cronograma é considerado exíguo. No final de abril, uma minuta foi encaminhada ao Conselho Municipal de Educação. A expectativa é de que os conselheiros deem seu parecer em 14 de maio. Depois disso, o projeto estaria em condições de tramitar na Câmara — onde ainda são possíveis alterações.

— Temos feito uma sensibilização com a Câmara, para que a tramitação seja rápida. O prazo é apertado. Foi uma escolha que se fez, para haver maior discussão de base – observa Célia Trevisan, coordenadora do plano na Secretaria da Educação da Capital.

A Secretaria Estadual da Educação, que vem auxiliando as prefeituras, mostra-se apreensiva com o andamento da elaboração dos projetos de lei municipais. Mas a diretora de planejamento, Iara Wortmann, afirma que o Rio Grande do Sul é um dos Estados onde os municípios acham-se mais adiantados e insiste que ainda dá tempo de realizar o processo, mesmo no caso de retardatários.

— Há muita dificuldade com prazo, porque ele foi curto. É um processo lento. Não posso achar que os municípios poderiam ter feito antes. Não é coisa que se faça de uma hora para outra. Vai ser corrido. Tem de ter diagnóstico, documento base, audiência pública. Mas não vou dizer, a priori, que é impossível. Nem vou pensar, agora, em quais seriam as consequências para quem não aprovar o plano — diz Iara.

O projeto de lei estadual foi encaminhado em 22 de dezembro à Assembleia Legislativa. Como a casa estava em recesso, foi arquivado. Em 10 de abril, o governador José Ivo Sartori solicitou o desarquivamento. Antes de ir a plenário, o plano terá de passar pelas comissões de constituição e justiça e de educação. 

— Não tenho dúvida de que os deputados vão se debruçar sobre o plano, porque não adianta colocar coisas que não são exequíveis. Mas estamos otimistas de que a Assembleia dê ênfase à discussão, para que a gente possa cumprir o prazo. Mas é claro que tem de correr — afirma Iara.

ENTREVISTA
Alessio Costa Lima, vice-presidente da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime)

Como estão os planos municipais?

Eles apresentam ritmos diferenciados, mas há todo interesse e motivação de elaborarem os planos até o prazo previsto.

Há municípios que não têm sequer a comissão instituída, e a maioria ainda não está com o projeto de lei em condições de ser encaminhado à Câmara Municipal. Isso não preocupa?

Sim. Mas, ao mesmo tempo, há um universo de mais de três mil municípios que estão com seus diagnósticos realizados, já concluindo o documento base, que é o que eu considero a fase mais crítica, onde se encontra mais dificuldade. As outras etapas — a questão da audiência pública e por último o trâmite legislativo — a gente espera que demandem bem menos tempo.

Em que estágio seria ideal que os municípios estivessem? 

Se um município chegar no final de maio com o documento base elaborado, tem como realizar as audiências públicas no início de junho. Ainda assim haverá tempo para encaminhar à Câmara e para o prefeito sancionar a lei.

Muitos municípios não vão conseguir? 

Prefiro acreditar que a maioria conseguirá. Mesmo os que não conseguirem, terão o trabalho iniciado e logo depois estarão concluindo, de forma a não prejudicar a política de planejamento.

As prefeituras demoraram para se mexer?

Infelizmente, a gente percebe em algumas pessoas aquela cultura de deixar tudo para a última hora. O PNE já anunciava esse prazo em 25 de junho de 2014. Muitos municípios já vinham encaminhando essa discussão. Outros apostaram na prorrogação de prazo. Mas estamos vendo que é uma minoria e que a grande maioria trabalha no movimento contrário.

Municípios gaúchos atrasados

Confira em que estágio está a elaboração dos planos municipais de educação das cidades gaúchas, conforme os informes mais recentes fornecidos pelas prefeituras ao Ministério da Educação:

32 não têm comissão coordenadora instituída (6,43%)
125 têm comissão coordenadora instituída (25,15%) 
145 estão com diagnóstico concluído (29,17%)
109 estão com o documento-base elaborado (21,93%)
49 estão com Consulta Pública realizada (9,86%) 
10 têm Projeto de Lei elaborado (2,01%) 
13 já enviaram o Projeto de Lei ao Legislativo (2,61%)
Nenhum está com a Lei aprovada
14 estão com a Lei sancionada (2,82%)

 

 

Crédito: http://zh.clicrbs.com.br/rs/noticias/noticia/2015/05/nove-em-cada-10-cidades-ainda-nao-tem-plano-de-educacao-4758009.html

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat