• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Messi põe Cristiano Ronaldo no bolso, e Barcelona leva o título da Champions

Digiqole ad

No estádio Olímpico de Roma, o confronto entre os melhores do futebol mundial na atualidade: Barcelona x Manchester United e Lionel Messi x Cristiano Ronaldo. Com superioridade nos 90 minutos nesta quarta-feira, o time espanhol levou a melhor, venceu por 2 a 0 e garantiu a conquista da Liga dos Campeões pela terceira vez em sua história. Entre os craques, vantagem do argentino: gol decisivo e palmas da torcida.

Cristiano Ronaldo, além sair derrotado no placar, também perdeu a linha em alguns momentos, abusou de jogadas violentas e foi vaiado na Itália. O primeiro gol foi de Samuel Eto’o.

A conquista coroa um ano espetacular do Barcelona, que pela primeira vez em sua história conquistou a tríplice coroa. Além de levar para casa a Liga dos Campeões, o time também ganhou o Campeonato Espanhol e a Copa do Rei da Espanha.

O título do Barça é o 12º da Espanha no principal torneio europeu, deixando o país como o maior campeão do campeonato (Real Madrid tem nove). A Inglaterra soma 11 (o Manchester foi o vencedor na temporada passada).

O Barcelona foi melhor em campo a maior parte do tempo, e deu show também nas arquibancadas do estádio Olímpico. A torcida catalã foi bem mais animada antes e durante a grande final da Liga dos Campeões. Antes do jogo, fãs de Barça e Manchester fizeram mosaicos. O dos ingleses homenageou o centenário de nascimento do lendário técnico Matt Busby, campeão europeu em 1968. Os catalães usaram as cores do clube e desenharam “FCB”, sigla de Fútbol Club Barcelona.

No lado do Barcelona, o técnico Pep Guardiola pôde escalar seu trio ofensivo completo. Henry, que não jogava havia quase um mês, foi titular ao lado de Eto’o e Messi. No meio, Iniesta, recuperado de lesão muscular, atuou ao lado de Xavi e do volante Busquets. Sylvinho ocupou a vaga do suspenso lateral-esquerdo Abidal, enquanto Puyol foi deslocado para a lateral direita, no lugar do também sancionado Daniel Alves. A dupla de zaga teve Touré e Piqué.

No Manchester, o brasuca titular foi Anderson (Rafael ficou no banco), que teve Carrick e Giggs como companheiros no setor de meio-de-campo. Cristiano Ronaldo e Rooney formaram o setor ofensivo ao lado do coreano Park.

O Barcelona começou a partida nitidamente mais nervoso que o Manchester. Os Diabos Vermelhos dominaram os minutos iniciais marcando a saída de bola dos rivais. Logo aos 2 minutos, Cristiano Ronaldo assustou em cobrança de falta que Valdés rebateu para o meio da área. Por sorte do Barça, a zaga afastou antes de Park pegar a sobra.

Os Diabos seguiram melhores e, uma vez mais com Cristiano Ronaldo, chegaram com perigo aos 8 minutos. O gajo recebeu no lado esquerdo da área, ajeitou e bateu firme. A bola saiu perto do poste esquerdo do goleiro Valdés.

Mas o domínio do Manchester United ruiu aos 10 minutos. Em sua primeira chegada de perigo, o Barça abriu o marcador. Eto’o arrancou pelo lado direito, deu um lindo corte em Vidic e bateu de bico. Van der Sar ainda tocou na bola, que foi parar no fundo da rede.

Em desvantagem, quem mostrou certo descontrole nos lances subsequentes foi a equipe inglesa. Um recuo de bola mal-feito acabou saindo pela linha de fundo. Depois, Anderson deu uma furada bisonha em lance no meio-campo.

Aos poucos, Messi, que estava sumido na partida, começou a aparecer. O argentino assustou Van der Sar com uma bomba de fora da área que saiu rente ao travessão, aos 19 minutos.

O panorama até o fim do primeiro tempo seguiu sendo o Barcelona mais com a bola, sem sofrer muitos riscos, embora também não muito contundente. Cautelosas, as equipes se respeitaram e o placar ao fim do primeiro tempo continuou 1 a 0 para o Barça, que foi para o vestiário muito aplaudido por seus torcedores.

No segundo tempo, Alex Ferguson tentou pôr o Manchester mais ofensivo e sacou Anderson para lançar Tevez. A mexida não surtiu o efeito esperado logo de cara e o Barcelona passou a dominar ainda mais. Nos dez primeiros minutos, o Manchester assistiu ao rival jogando. Aos 7, Xavi carimbou a trave de Van der Sar em cobrança de falta da meia-lua.

Aos poucos, o Barça recuou para sair nos contragolpes. O Manchester apareceu bem duas vezes pelo lado direito, com Rooney cruzando para a área. Na primeira, Cristiano Ronaldo não alcançou na pequena área. A segunda foi travada por Piqué.

Aos 20 minutos, Ferguson fez outra substituição para tentar deixar o Manchester mais ofensivo. O treinador tirou Park e mandou a campo o atacante Berbatov. Muito exposto, o Manchester pagou caro.

Aos 25, Xavi avançou pela direita e levantou com açúcar para Messi, livre na grande área. La Pulga subiu com estilo e testou no canto oposto de Van der Sar. Um belo gol do Barcelona. Posteriormente, Xavi seria eleito o melhor em campo.

O Manchester não se entregou e por pouco não diminuiu dois minutos mais tarde, com Cristiano Ronaldo. Após cruzamento que passou por toda a área, Cristiano Ronaldo recebeu no lado esquerdo e bateu na saída de Valdés. A bola desviou no goleiro e foi para fora.

A tônica do jogo seguiu a mesma, com o Manchester tentando o ataque de forma desordenada e o Barcelona muito perigoso nos contra-ataques. Nervoso, Cristiano Ronaldo acertou Puyol três vezes em jogadas diferentes (uma cotovelada, um carrinho e uma trombada) e acabou advertido com o cartão amarelo.

Scholes, que entrou no lugar de Giggs, também levou amarelo por falta muito violenta em Busquets. Alheio às pancadas, o Barça seguiu sereno na partida.

No fim, o Barça levou o título e encerrou uma freguesia que tinha perante os Diabos Vermelhos. Nos outros três confrontos mata-mata com os ingleses por copas europeias, os espanhóis haviam perdido. E que hora mais apropriada para quebrar a escrita.

 

Crédito: Globo

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat