• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

‘Hormônio do amor’ tem efeitos similares ao álcool

 ‘Hormônio do amor’ tem efeitos similares ao álcool
Digiqole ad

Beber uma taça de vinho pode provocar efeitos similares ao de uma paixão avassaladora. É o que sugere um novo estudo publicado na revista científica Neuroscience and Biobehavioral Reviews. Isso ocorre graças às semelhanças encontradas entre a oxitocina, conhecido como “hormônio do amor”, e os efeitos do álcool no organismo.

Para chegar a essa conclusão, pesquisadores da Universidade de Birmingham, na Inglaterra, decidiram revisar diversos estudos sobre as duas substâncias. “Reunimos as pesquisas já existentes sobre a oxitocina e o álcool e fomos surpreendidos pelas inacreditáveis similaridades entre os dois compostos”, explicou Ian Mitchell, um dos autores do estudo.

Sabe-se que a oxitocina afeta o comportamento social, aumentando altruísmo, generosidade, empatia e a confiança nos pares. A substância também possui efeitos sociocognitivos: ao suprimir a ação do córtex pré-frontal e dos circuitos corticais límbicos, ela remove os freios de inibidores sociais como medo, ansiedade e stress.

“Os compostos agem em diferentes receptores cerebrais, mas causam as mesmas ações nos circuitos neurológicos que controlam a forma como percebemos o stress ou a ansiedade, principalmente em situações de tensão social como em entrevistas de emprego ou até mesmo para criar coragem e convidar alguém para sair”, afirma Mitchell. “Por isso, a ingestão de álcool ou a inalação de oxitocina tornam essas situações menos assustadoras”, explicou.

Por outro lado, os pesquisadores alertam que, assim como o álcool, a oxitocina também tem efeitos negativos. As pessoas podem se tornar mais agressivas, prepotentes, ciumentas e invejosas. Além disso, os compostos também podem afetar a percepção em relação ao medo, aumentando a exposição a situações de risco.

Pesquisa usa 'hormônio do amor' para atacar sintomas da depressão

'Hormônio do amor' pode despertar sentimentos negativos

“Não acredito que a oxitocina será utilizada socialmente como uma alternativa ao álcool. Mas é um composto fascinante e, longe de assuntos do coração, tem uma possível utilização no tratamento de condições psicológicas e psiquiátricas. Ao entender exatamente como ela suprime certos modos de ação e altera nosso comportamento, conseguiremos fornecer benefícios reais para muitas pessoas.”, afirma Steven Gillespie, pesquisador da Universidade de Birmingham.

Até a década de 80, a oxitocina estava associada a dois processos fisiológicos envolvidos na maternidade: as contrações uterinas no momento do parto e a liberação de leite na amamentação. Hoje, já se sabe que o hormônio ativa as regiões cerebrais relacionadas a sensações de autoconfiança, vínculos de afeto e relaxamento.

Foto:Thinkstock/VEJA

 

Crédito: http://veja.abril.com.br/noticia/saude/hormonio-do-amor-tem-efeitos-similares-ao-alcool

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat