• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Goleada deixa Brasil a um passo do tetra da Copa do Mundo de futebol de areia

Digiqole ad

O histórico favorecia o adversário. Nos dois últimos jogos em que Brasil e Portugal mediram forças, nas finais do Mundialito de Portimão de 2007 e 2008, a seleção não conseguiu valer o seu favoritismo. Mas neste sábado, deixou claro ao tradicional rival que do outro lado quadra estava a seleção tricampeã mundial. Com a vitória por 8 a 2, a equipe brasileira garantiu sua vaga na final da Copa do Mundo de futebol de areia, que está sendo disputada em Dubai, nos Emirados Árabes. O adversário sairá do confronto entre Uruguai e Suíça.

A seleção começou o jogo trabalhando bem a bola. Não demorou para que a equipe conseguisse abrir o placar. Com pouco mais de cinco minutos de partida, Sidney aproveitou um chute de Bueno e a bobeada do goleiro para fazer 1 a 0. Faltando 4m03s para o fim do primeiro período, foi a vez de Benjamin fazer o seu, após cobrança de escanteio e falha da defesa portuguesa: 2 a 0. Mas logo depois, ele deixou a quadra abatido após cometer uma falta e levar o cartão amarelo, que o tira da decisão deste domingo. Mas o Brasil não perdeu o foco e encontrou em Bruno arma para derrubar Portugal. O artilheiro do time na competição marcou dois gols seguidos, sendo o segundo de bicicleta.

Os portugueses tinham pressa para tentar diminuir o prejuízo. Bilro fez 4 a 1 logo na saída de bola, no início do segundo período. Mas acabou sendo expulso mais tarde, ao fazer pênalti em Daniel, deixando a equipe com um jogador a menos por dois minutos. O goleiro reserva Paulo Graça fez o time respirar aliviado ao defender a cobrança do brasileiro. Daniel ganhou nova chance de se redimir, minutos depois, e teve calma para ampliar a vantagem. Betinho deu sua contribuição: 6 a 1.

Diante de um time português abatido e perdido em quadra, o Brasil mantinha o ritmo. Mal começou a última etapa e Buru fazia 7 a 1. A essa altura, a seleção tocava a bola para ganhar tempo, enquanto o adversário perdia a paciência e a cabeça ao ouvir os gritos de “olé” vindos da arquibancada. A torcida pedia por mais um gol, mas foi Portugal quem atingiu o objetivo primeiro, com Alan numa cobrança de falta: 7 a 2. A resposta da seleção veio com Daniel Souza.

O craque Madjer, que não chegou sequer a representar uma ameça para a seleção, não escondia sua decepção ao amargar pelo segundo ano seguido uma derrota nas semifinais da Copa do Mundo para o Brasil.

 

Crédito: Globo

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat