• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

EUA patenteiam método brasileiro para desenvolver vacinas contra Aids

 EUA patenteiam método brasileiro para desenvolver vacinas contra Aids
Digiqole ad

Um método desenvolvido por pesquisadores brasileiros e que pode ser usado para a produção de vacinas contra diferentes doenças, com resultados promissores para prevenir a Aids, foi patenteado nos Estados Unidos. O método, patenteado no Brasil em 2005, é produto de vários anos de trabalho de pesquisadores da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), informou nesta segunda-feira (27) este organismo vinculado ao Ministério da Saúde e que é considerado o maior centro de pesquisa médica da América Latina.

A tecnologia foi reconhecida pelo Escritório Americano de Patentes e Marcas (UPTO, na sigla em inglês) após dez anos de trâmites, segundo um comunicado da Fiocruz. O método de desenvolvimento de vacinas patenteado se baseia na modificação do código genético do vírus que transmite a febre amarela para ser usado no combate de outras doenças. Ao vírus da febre amarela é introduzida uma pequena partícula de outro vírus viva, mas atenuada, ou seja, sem capacidade para desenvolver a doença que é transmissora.

Com o vírus geneticamente modificado, os pesquisadores preveem introduzir em pacientes uma determinada quantidade do outro vírus, com o objetivo que as defesas dos seres humanos possam reconhecer os patógenos e estabelecer um padrão para combatê-los, ou seja que desenvolvam defesas. Como resultado deste processo se obtêm os “vírus recombinados”, capazes de ensinar o sistema imunológico dos pacientes a reconhecer outras infecções. Um dos objetivos da Fiocruz é conseguir implementar este método no desenvolvimento de vacinas contra a Aids, e os pesquisadores já estão realizando testes, até agora bem-sucedidos, com macacos, considerados os melhores modelos para o estudo da doença por sua semelhança genética com os humanos.

Tratamento da aids inclui até sexo, dizem especialistas

Nos testes clínicos com estes animais, que são realizados nos Estados Unidos, se combinou o código genético do vírus da febre amarela com o do VIS (vírus de imunodeficiência em símios), que nele tem um efeito similar ao da aids nos humanos. Quando a vacina desenvolvida com este método foi aplicada nos macacos, seu sistema imunológico aprendeu a reconhecer os patógenos do VIS e suas defesas atuaram de uma forma mais eficaz sobre a doença. Esta tecnologia foi criada pela chefe do Laboratório de Biologia Molecular de Flavivirus da Fiocruz, Myrna Bonaldo, e pelo pesquisador do Instituto de Tecnologia em Inmunobiológicos da fundação, Ricardo Galler.

No segundo semestre de 2012, a Fiocruz começou a testar em seres humanos um remédio para tratar a Aids em crianças, uma doença que, segundo dados oficiais, entre 1980 e 2010 afetou 14 mil menores de 13 anos, que, em sua maioria, o herdaram de suas mães durante a gravidez ou no momento do parto. EFE jrv/rsd

 

Crédito: R7

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat