• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Estudo desvenda origem de fluxo misterioso no espaço

Digiqole ad

Um misterioso fluxo de partículas detectado no universo fez nascer a esperança entre os astrônomos de que esta seja a primeira observação de componentes que podem ter originado a matéria escura – uma das questões ainda obscuras da astrofísica. No entanto, uma equipe de cientistas da Universidade de Gotemburgo, na Suécia, acreditam que exista uma outra explicação para a existência do fluxo.

Estudos independentes descobriram recentemente que a matéria misteriosa era constituída de elétrons e pósitrons. Após a apresentação de diversas teorias sobre sua composição, os especialistas sugeriram que essas partículas resultaram da decomposição de matéria escura – o material hipotético que se acredita influenciar na rotação das galáxias. Porém, outros resultados publicados pelos pesquisadores suecos indicaram que o fluxo misterioso pode haver surgido, na realidade, da explosão de estrelas, conhecidas como supernovas.

Supernova remanescente
Segundo Julia Becker, do Departamento de Física da Universidade de Gotemburgo, o conteúdo misterioso é remanescente de uma supernova 15 vezes mais massiva que o Sol, provocada pela morte de uma estrela que explodiu na Via Láctea. Um artigo escrito por Becker e seus colegas também foi publicado na revista científica Physical Review Letters.

Segundo os cientistas, quando uma estrela desse porte explode, a maior parte do material em sua composição é ejetada pelo universo por meio do vento estelar – este gerado no início do processo de morte, quando a estrela perde parte da massa original.

Onda de choque no espaço
Elétrons e pósitrons são acelerados durante o processo, criando uma onda de choque semelhante à que se forma quando um avião ultrapassa a barreira do som.

Para Julia Becker e seus colegas, esta grande onda de choque foi a responsável por criar o fluxo de partículas que os cientistas observaram atônitos. “Isso significa que tenho receio que os cientistas tenham que encontrar outro método de identificação da matéria escura”, completou.

 

Crédito: Terra

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat