• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Esposa ciumenta a serviço da Al-Qaeda teria entregue Bin Laden aos americanos

Digiqole ad

Operação de um grupo especial de soldados americanos para localizar e capturar Osama Bin Laden teria recebido a contribuição decisiva de uma das esposas do terrorista. A tese foi elaborada por um general paquistanês depois de uma longa investigação. Conforme o oficial, a mulher sentia ciúmes de uma rival mais jovem, também esposa de Bin Laden.

Dez meses depois do ocorrido, a incursão de um comando de elite americano que matou o chefe da Al-Qaeda em seu tranquilo refúgio na cidade paquistanesa de Abbottabad continua sendo um mistério que alimenta inúmeras teorias, inclusive a traição por ciúmes.

Shaukat Qadir, um general de brigada reformado, investigou o episódio durante oito meses. Graças ao bom relacionamento com o alto escalão das Forças Armadas, ele pôde visitar a casa que Bin Laden ocupou e falar com os agentes que interrogaram as esposas do terrorista, presas depois da operação.

Complô da Al-Qaeda

Segundo Qadir, Bin Laden foi vítima de um complô da Al-Qaeda, que utilizou uma das mulheres para colocar os americanos em seu rastro. De acordo com Qadir, Bin Laden começou a sofrer com uma deficiência mental em 2001, que progressivamente levou seu braço direito, o egípcio Ayman Al Zawahiri, a decidir eliminá-lo.

Depois de vários anos de fuga no Noroeste paquistanês, a Al-Qaeda decidiu escondê-lo em Abbottabad, onde mandou construir quase uma mansão.

Bin Laden se estabeleceu nessa casa em 2005 com duas de suas esposas, Amal e Seehan, e vários de seus filhos. O grupo incluía Khalid, filho adulto fruto da relação com Seehan e quem, como os guarda-costas paquistaneses de seu pai, tinha esposas e filhos.

Esposa retorna para o marido

No entanto, as coisas mudaram em 2011 quando chegou à casa outra esposa de Bin Laden, Jairia, saudita como Seehan e com quem ele havia se casado no final dos anos 1980 e a quem não via desde 2001.

Refugiada (e vigiada) numa casa no Irã até o fim de 2010, Jairia passou, segundo o general Qadir, vários meses num campo da Al-Qaeda no Afeganistão antes de chegar a Abbottabad em março de 2011, menos de dois meses antes do ataque americano.

Qadir não tem dúvidas de que foi Jairia quem traiu Bin Laden. “É o que Amal também acha e disse aos investigadores”, explicou. Ao chegar à casa, Jairia, já conhecida por seus ciúmes doentios, se instalou no primeiro andar e logo levantou suspeitas, em particular por parte de Khalid.

Mencionando um depoimento de Amal aos interrogadores, Qadir relatou que “Khalid não parava de perguntar a Jairia por que havia ido para Abbottabad e o que queria com Bin Laden”. “Tenho que fazer uma última coisa por meu marido”, teria sido a resposta dela.

Bin Laden resignado com a possibilidade de traição

Sempre de acordo com o general Qadir, “Khalid, preocupado, levou ao conhecimento de seu pai os temores de uma traição”. Mas Bin Laden, fatalista, teria se limitado a comentar: ‘O que tiver de acontecer acontecerá”.

Estaria o chefe da Al-Qaeda sentindo a aproximação da morte? De acordo com Amal, “Bin Laden tentou convencer suas outras duas mulheres a deixar a casa e fugir, mas elas quiseram ficar com ele”, contou Qadir.

Para o general, a Al-Qaeda e Al-Zawahiri guiaram Jairia para que orientasse os americanos a chegar à casa em Abbottabad. A interceptação, por parte dos americanos, de uma comunicação telefônica de Jairia contribuiu para convencê-los de que Bin Laden efetivamente se encontrava naquela casa.

EUA descartam complô

O governo de Washington descartou qualquer complô e assegurou ter chegado até Bin Laden por seus próprios meios. O exército do Paquistão insiste que ignorava a presença do terrorista em Abbottabad.

Segundo Qadir, o exército paquistanês também descobriu a presença de Bin Laden, mas já muito tardiamente, no final de abril, e foi surpreendido pelo ataque americano. Em qualquer caso, faltam as provas. Será que o ex-general conseguirá alguma um dia? Qadir sorri: “É como o caso do assassinato de John Kennedy”.

 

Crédito: AFP

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat