• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Cruzeiro contém valentia do Atlético-MG e é campeão invicto pela décima vez

Digiqole ad

Não faltou luta ao Atlético-MG, mas a superioridade celeste e a vantagem conquistada no primeiro jogo fizeram a diferença na decisão. O Cruzeiro é bicampeão mineiro invicto. Pela décima vez na história do clube fica com o título sem que ninguém o derrote no estadual. Conquista de número 36 do time da Toca da Raposa.

Neste domingo, empate de 1 a 1 com um rival valente e que soube valorizar a vitória adversária. Fabiano fez para o Galo, e Kléber deixou tudo igual.

Na próxima quarta-feira, o Atlético-MG terá mais um jogo decisivo. Na partida de volta das oitavas-de-final da Copa do Brasil, contra o Vitória, o time precisa fazer três gols para levar aos pênaltis. Do lado celeste, o assunto é a Taça Libertadores. Na quinta-feira, o Cruzeiro enfrenta o Universidad de Chile, em Santiago, no primeiro jogo das oitavas.

Os primeiros minutos do jogo foram de muita correria no gramado do Mineirão, e festa celeste nas arquibancadas. Mas foi o Galo quem chegou mais forte. Afinal, o time precisava fazer cinco gols para ser campeão. Aos cinco minutos, Tardelli roubou a bola do zagueiro Gustavo, achou Éder Luís, mas o atacante foi travado na hora do chute. Três minutos depois, a Raposa errou na saída de bola, Éder ficou com ela dentro da área, demorou demais para concluir a jogada, e novamente foi desarmado.

Aos 12, a zaga atleticana quase fez besteira. Rafael Miranda recuou mal para o goleiro Juninho, e o atacante Soares tentou aproveitar. O Galo chegava de forma aguda. Aos 15, Marcos Rocha avançou pela direita, cruzou rasteiro, o goleirão Fábio espalmou, e os atacantes alvinegros por pouco não aproveitaram o rebote.

Aos 16, festa da minoria no Mineirão e com direito a gol de estreante. Éder Luís, insistente, avançou pela esquerda, foi até a linha de fundo e encontrou Fabiano, livre para marcar: 1 a 0. Primeiro jogo do camisa 10, e primeiro gol.

A festa alvinegra durou pouco. Aos 20, Soares foi lançado na área, encarou a marcação de Marcos Rocha e acabou derrubado. Um minuto depois, Kléber cobrou rasteiro, no meio do gol, e empatou: 1 a 1. Décimo terceiro do Gladiador no Estadual. Ao contrário do domingo passado, quando imitou um galo, o camisa 30 comemorou de forma discreta.

Mas o Galo não desanimou. Aos 24, Tardelli, artilheiro do Estadual com 16 gols, encarou a marcação dentro da área e bateu forte. A bola assustou Fábio, mas foi pela linha de fundo.

Aos 27, Wagner recebeu passe na área, tentou se livrar da marcação de Carlos Alberto com um corte seco e caiu. O árbitro Leonardo Gaciba, perto do lance, considerou que houve simulação e puniu o meia com cartão amarelo.

Depois deste lance, o jogo ficou truncado por dez minutos. Até que, aos 37, Júnior fez a ultrapassagem pela esquerda, buscou Fabiano na área com o cruzamento, só que Marquinhos Paraná evitou que ela chegasse ao atleticano.

Aos 43, o Galo fez o segundo gol, mas não valeu. Diego Tardelli recebeu cruzamento na área em posição de impedimento, e a arbitragem marcou a irregularidade. Fim de primeiro tempo. O Atlético-MG jogou melhor, mas não conseguiu ficar em vantagem.

Na saída para o vestiário, o técnico Emerson Leão, o zagueiro Marcos e o atacante Diego Tardelli foram reclamar com o árbitro Leonardo Gaciba. O treinador se queixou da auxiliar Katiuscia Mendonça, que trabalhou no jogo entre Guaratinguetá e Atético-MG, pela segunda fase da Copa do Brasil.

– É a mesma de Guaratinguetá (citando a bandeirinha), e é o mesmo Gaciba de sempre, que quer aparecer mais do que o jogador – reclamou.

Na volta do intervalo, o técnico Emerson Leão foi informado pelo quarto árbitro sobre sua expulsão. Insatisfeito, ele voltou a procurar Leonardo Gaciba para conversar. O árbitro disse que ele foi excluído por ter invadido o campo.

No gramado, o Galo voltou com a mesma disposição da etapa inicial e logo tudo ficou mais difícil. Aos seis minutos, Carlos Alberto fez falta dura em Wagner, recebeu o segundo cartão amarelo e acabou expulso. A vantagem numérica em campo inflamou a torcida celeste, que começou a gritar “Bicampeão!”.

O time também se animou. Aos 11, Kléber invadiu a área, bateu forte de perna esquerda, mas a bola subiu muito. Dois minutos depois, o Gladiador quase virou o jogo. Ele foi lançado, ganhou na corrida de Welton Felipe, se livrou da marcação e tocou para trás. Wellington Paulista não conseguiu acertar o chute. Aos 17, Wellington devolveu a gentileza, achou Kléber na área, mas o camisa 30 bateu para fora.

Aos 26, Tardelli foi lançado na esquerda, tentou driblar o goleiro Fábio, mas caiu sozinho. O goleador ainda teve que ouvir gritos de “Pipoqueiro!” da torcida cruzeirense. Três minutos depois, Marquinhos Paraná fez jogada de craque, invadiu a área e cruzou na pequena área. Wellington Paulista dividiu com a zaga, mas não conseguiu marcar.

O gol da virada quase veio em forma de golaço. Aos 35, a zaga atleticana afastou um cruzamento, e Wagner emendou de primeira, bonito. Só que a bola foi pela linha de fundo. Aos 38, Adilson Batista deu um presente para a torcida. Ele tirou o volante Fabrício, que reclamava de dores, e lançou o ídolo Sorín. O Mineirão quase veio abaixo.

Aos 44, a festa ficou feia. Welton Felipe, Wellington Paulista e Kléber se envolveram em confusão, e os dois primeiros foram expulsos. Só que a felicidade celeste era maior. Cruzeiro, bicampeão mineiro de 2009!

 

Crédito: Globo

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat