• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Crise financeira faz OAS baixar preço de venda da Arena ao Grêmio

 Crise financeira faz OAS baixar preço de venda da Arena ao Grêmio
Digiqole ad

Em uma negociação que se estende há dois anos, o Grêmio está próximo de garantir a compra da Arena. Liderada pelo ex-presidente Fábio Koff, a operação deve ser concluída ainda em fevereiro. E custará ao clube cerca de R$ 170 milhões, menos que os R$ 360 milhões inicialmente acordados com a empreiteira OAS.

— Ocorrerá ainda neste mês de fevereiro — garantiu Koff, em entrevista à Rádio Bandeirantes ontem, sobre a assinatura do contrato.

A diminuição no custo da compra se dá por conta da crise vivida pela construtora, investigada pela Operação Lava-Jato por suspeita de corrupção em obras da Petrobrás. Com uma dívida avaliada em R$ 7,7 bilhões no mercado, a OAS busca reestruturação financeira para manter suas operações. Neste contexto, a venda da Arena, que acumula prejuízo em seus dois anos de operação, representaria um alívio duplo para a empresa. 

 

Ao transferir a gestão para o Grêmio, deixará não só de bancar os custos de manutenção do equipamento, mas também o saldo de R$ 170 milhões do financiamento obtido junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para a construção do estádio. Na prática, o clube repassará este valor em parcelas anuais para que a construtora realize a quitação.

— Ao se livrar do financiamento, a OAS se dará por satisfeita — interpreta um conselheiro do Grêmio.

 

Com a venda da Arena, a empreiteira poderá, enfim, tomar posse da área do Olímpico. O velho estádio, que deixou de receber os treinos do clube em dezembro, será implodido e dará lugar a torres residenciais e empreendimentos comerciais. Com a exploração do terreno, a OAS terá, em médio prazo, um lucro estimado em R$ 2 bilhões.

Também para começar a lucrar com esta receita, a empreiteira tem interesse em fechar rapidamente a negociação com o Grêmio. A empresa, inclusive, não se manifesta oficialmente sobre as tratativas. O último entrave está na desoneração do direito de superfície da Arena, dado como garantia pela OAS para a obtenção da linha de crédito junto ao BNDES. 

 

Para que isto ocorra, é necessário o aval dos bancos repassadores do financiamento, Banrisul, Santander e Banco do Brasil, para a troca da garantia do estádio por bens da construtora. No caso do Banrisul, inclusive, será necessária a aprovação do governador José Ivo Sartori.

Resolvido este obstáculo, restará a assinatura do contrato entre o clube e a OAS para que a Arena, enfim, seja do Grêmio.

 

Crédito: ClicRBS

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat