• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Conta de luz não será reajustada em outubro, afirma presidente do Conselho da CEEE

 Conta de luz não será reajustada em outubro, afirma presidente do Conselho da CEEE
Digiqole ad

A tarifa de energia da Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) não será reajustada em outubro, garante João Victor Domingues, secretário de Infraestrutura e Logística do Estado e presidente do Conselho de Administração da estatal. A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) deve decidir na terça-feira o tamanho do tarifaço na conta de luz dos gaúchos.

Área técnica do órgão regulador sugeriu aumento de 28,28%. No início do mês, a CEEE havia pedido reajuste de 34,99% à Aneel.

O aumento não será aplicado em outubro, de acordo com Domingues, porque a companhia de energia solicitou adiamento do reajuste para fevereiro. O pedido foi negado pela agência reguladora, que não identificou interesse do consumidor na transferência de datas.

A estatal gaúcha recorreu, então, da decisão, que deve voltar a ser apreciada pela Aneel na terça-feira. A estatal entrou na Justiça para garantir que a agência reguladora aprecie novamente o pedido.

Mesmo que a agência reguladora mantenha a decisão e defina que o ajuste da tarifa permanecerá em outubro, não haverá aumento na conta de luz no próximo dia 25, data estipulada por contrato para eventuais reajustes. Isso porque a estatal está inadimplente com pagamentos obrigatórios do setor. Por não estar quite com a agência reguladora, mesmo que a alta seja aprovada, a empresa fica impedida de aplicá-la.

A conta seria um débito de cerca de R$ 18 milhões com a Eletrobras, devido a compra de energia com a usina de Itaipu.

— Na verdade trata-se de um encontro de contas e não de uma despesa consolidada. A Eletrobras deve à companhia cerca de R$ 20 milhões e nós devemos a eles R$ 18 milhões. É um acerto que deve demorar de 15 a 30 dias — afirmou Domingues.

Assim que a empresa acertar a dívida, estaria apta a aplicar o reajuste aprovado pela agência, mas não de forma retroativa, ou seja, perderia de receber os valores não cobrados entre a data de homologação e a aplicação de fato do reajuste . O adiamento afetaria a receita da estatal, que ficaria com as tarifas “congeladas” durante esse período.

— É um custo perfeitamente absorvível pela companhia. É mais importante que o Estado mantenha nesse momento a curva de crescimento — afirmou Domingues, explicando que o tarifaço seria prejudicial para a economia gaúcha.

 

Crédito: ClicRBS

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat