• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Como foram as primeiras horas no Hospital da Restinga

 Como foram as primeiras horas no Hospital da Restinga
Digiqole ad

Aguardado pela comunidade da Zona Sul da Capital há décadas, o Hospital da Restinga e Extremo-Sul, finalmente, abriu suas portas. Os atendimentos tiveram início às 23h de segunda-feira. A reportagem do Diário Gaúcho passou oito horas dentro do hospital, entre a noite de segunda e a manhã de terça, e mostra como, mesmo em tão pouco tempo, a instituição já está fazendo a diferença na vida de muitos porto-alegrenses.

Pouco depois da 0h de ontem, de carona na carroça de um vizinho, puxada pelo cavalo Guri, chegava ao Hospital da Restinga e Extremo-Sul um de seus primeiros pacientes. Morador da Vila Castelo, o vigia desempregado Adão de Oliveira Costa, 56 anos, sentia dores pelo corpo todo.
– Escutei no rádio que o hospital ia abrir hoje e resolvi vir. Tenho gota e problemas vasculares – contou o paciente que, até então, tinha que deslocar-se até o Hospital Vila Nova, a pelo menos 12km de casa.
Pela manhã, algumas horas depois, o Diário Gaúcho flagrou Adão alimentando-se em um dos leitos de observação da sala amarela, destinada a pacientes cujo estado de saúde não configura um caso de emergência. Até o final da tarde, ele permanecia internado e seu estado era estável.

Primeiros atendimentos

Assim como Adão, pelo menos outras 170 pessoas, sendo 119 adultos e 51 crianças, procuraram o hospital recém-inaugurado em suas 17 primeiras horas de funcionamento. Inicialmente, a instituição oferece 25 leitos de emergência e 62 leitos de internação, 100% Sus.
Ainda durante a madrugada, para dar fim ao mal-estar da filha Melissa, dois anos, que estava com uma crise de bronquite, o casal Queila Rutsatz, 24 anos, e Fabiano da Silva Morais, 32 anos, da Restinga Nova, também procurou a emergência.
– Com o hospital, vai melhorar bastante para a gente. Esperamos que o atendimento seja mais rápido que no posto – observou Fabiano.
Melissa passou pela triagem, pelo médico e saiu com a receita de um remédio para solucionar o problema.

Os curiosos

Um grupo de moradores foi até o hospital, mas não sofria por nenhuma enfermidade: vizinhos da instituição, eles ignoraram a noite fria e úmida e foram dar fim à curiosidade. Pelo vidro, espiavam o movimento dos primeiros atendimentos.
– Terminou a novela e então decidi vir para verificar se era verdade que estava abrindo o nosso hospital e fui chamando a vizinhança. O sentimento é de alegria! É muito bom ver a Restinga crescer – comentou a dona de casa Maria Elisa Rodrigues, 49 anos.
Durante a noite, além do atendimento aos pacientes que chegaram espontaneamente na emergência também foi feita a transferência de seis adultos e uma criança que estavam internados no Pronto-Atendimento (PA) da Rua Álvaro Difini, que deve ser desativado gradativamente. A recomendação a quem procurar a unidade é deslocar-se até o Hospital da Restinga e Extremo-Sul.

Sistema lento

O vigia Vinícius Batista, 23 anos, foi com a esposa Idiane Barbosa, 19 anos, levar o filho Rhaynan, de um ano e 11 meses para tratar um problema na pele e reclamou a demora no atendimento na chegada à emergência.
– Não estão entendendo como operar o sistema – queixou-se.
A gerente assistencial do hospital, Andrea Volkmer, explicou que a equipe passou por treinamento, mas ainda está em adaptação ao novo sistema. Em dois ou três dias, as dificuldades de adaptação serão sanadas.

Com cara de emergência

O movimento nas primeiras horas da manhã começou calmo, depois se intensificou, como em todas as emergências de hospitais públicos da Capital. Mas com uma diferença: pela primeira vez, pacientes que durante anos cruzaram a cidade em busca de atendimento, agora eram acolhidos praticamente na porta de casa. No lado de fora, operários se apressavam para concluir a pavimentação antes da visita da presidente Dilma Rousseff, prevista inicialmente para amanhã. A data, porém, depende de sua agenda no Estado.
O dia frio e a curiosidade dos moradores mantiveram ocupadas quase todas as cadeiras da recepção da Emergência. Teve gente que se queixou, como ocorre em qualquer órgão público, e outros que permaneceram resignados à espera da chamada para triagem e atendimento. Mas todos, sem exceção, exaltaram o serviço de qualidade à disposição de quem nunca teve nada sequer parecido na Restinga e nos bairros do Extremo-Sul (Lami, Chapéu do Sol, Belém Novo, Ponta Grossa e Lageado).

Mais perto de todos

O tratador de animais, Carlos Riegel, 52 anos, e a dona de casa, Jubira Riegel, 56 anos, levaram a tia dela, Maria Silveira de Castro, 95 anos. A idosa, que caminhava com a ajuda de uma bengala, teria passado mal e, repentinamente, parado de falar. Enquanto aguardava a chamada do médico, Carlos elogiou a nova alternativa do Sus para moradores da região.
– Precisávamos de um hospital assim há muito tempo. Antes, a gente tinha de percorrer 20km ou 30km até um hospital correndo o risco de não ter vaga. Com este aqui, acho que vai ser bem melhor – afirmou o morador do Bairro Aberta dos Morros.

Distância menor é elogiada

Residente na Lomba do Pinheiro, a comerciante Angela Borba, 39 anos, não pensou duas vezes. Quando o filho João Vitor, sete anos, começou a se queixar de forte dor abdominal, ela chamou o marido, embarcaram no carro e seguiram em direção ao novo hospital.
– A Emergência aqui é ótima e muito mais perto. Antes, levávamos ele para o São Lucas da Puc – explicou a mãe.

Um técnico em cada quarto

O superintendente executivo do Moinhos de Vento, que administrará o Hospital da Restinga, Fernando Andreatta Torelly, afirmou que um dos diferenciais do complexo hospitalar é que cada quarto contará com um técnico de enfermagem 24 horas.
– São cinco leitos em cada quarto, que terá um profissional de plantão dentro do espaço. Isso garante um atendimento rápido e evita quedas de pacientes – exemplifica.

Classificação de risco

A triagem dos pacientes é feita com base em cinco níveis de gravidade do estado de saúde. Cada modelo é identificado por uma cor. A escala vai da cor azul (não urgente) à vermelha (emergência, que necessita atendimento imediato).

Serviço
O hospital fica na Estrada João Antônio da Silveira, 3330, na Restinga.

É servido por três linhas de ônibus: Restinga/PUC e Linha Restinga/PUC/Cairú, das empresas STS e Unibus e, Linha A14, da empresa STS.

Primeira etapa

Nesta primeira fase, entrou em funcionamento o Pronto Atendimento adulto e pediátrico com capacidade para atender até 13 mil pessoas por mês. São 25 leitos de observação e 62 de internação. Cerca de 280 profissionais estão trabalhando.

Estrutura completa

Quando o hospital estiver em pleno funcionamento, contará também com Centro Cirúrgico, Centro Obstétrico, Unidade de Terapia Intensiva, Serviço de Reabilitação, Unidade de Diagnóstico, Centro de Especialidades para consultas ambulatoriais e, para a formação de recursos humanos, uma Escola de Gestão em Saúde. O Hospital terá 121 leitos de internação e 49 leitos de passagem, totalizando 170 leitos à disposição da comunidade. Ao todo serão cerca de 800 colaboradores que, preferencialmente, serão moradores da região.

 

Crédito: ClicRBS

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat