• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

CEEE é multada em R$ 5,7 milhões por falhas no verão

 CEEE é multada em R$ 5,7 milhões por falhas no verão
Digiqole ad

Constante durante os meses do último verão, a falta de energia elétrica enfrentada pelos gaúchos não deve sair de graça para as fornecedoras. Nesta terça-feira, a Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE) foi multada em R$ 5,7 milhões pela Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados do Rio Grande do Sul (Agergs) por falhas na distribuição de energia entre os meses de dezembro de 2013 e fevereiro de 2014. Após fiscalização extraordinária nos serviços da CEEE, a conclusão dos técnicos é de que praticamente todas as mais de 1,5 milhão de unidades consumidores foram afetadas no período.

A CEEE tem o prazo de 10 dias para apresentar recurso ao Conselho Superior da Agergs ou pagar a infração. Na semana passada, a AES Sul foi multada em R$ 2,6 milhões também por falhas durante o verão — e, nos próximos dias, será concluído o processo da RGE.

Conforme a Agergs, regiões do Estado abastecidas pela CEEE chegaram a somar sete dias sem luz durante o verão. Além da multa, a companhia teve de gastar R$ 6,1 milhões para reembolsar clientes atingidos pelas interrupções de energia nos meses de janeiro e fevereiro. Os valores foram descontados diretamente da conta de luz dos consumidores. Se comparado a 2013, o gasto da CEEE com reembolsos motivados por falhas no serviço saltou 256% em 2014. No ano passado, o valor pago foi de R$ 1,7 milhão.

— Avaliamos que o serviço das três principais companhias de energia no Estado não atenderam à demanda de maior carga elétrica no verão. Até 2013, o serviço sempre foi muito ruim no período. Fizemos uma série de reuniões para fazer um planejamento preventivo e sempre recebemos a resposta que as companhias estavam preparadas. Neste ano, percebemos que, o que era muito ruim, piorou. O reflexo não se vê apenas nas multas, mas também no número de reembolsos aos clientes atingidos — afirmou o conselheiro-presidente da Agergs, Carlos Martins.

O pente-fino nas companhias também detectou frequentes sobrecargas nos transformadores da CEEE — o que leva a Agergs a crer no desligamento dos equipamentos para evitar explosões, provocando quedas na energia elétrica.

 

Crédito: Click RBS

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat