• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Brasil supera início ruim e estreia com vitória sobre a França no Mundial

 Brasil supera início ruim e estreia com vitória sobre a França no Mundial
Digiqole ad

Como previsto, foi uma estreia nervosa. Os primeiros cinco minutos não foram nada animadores. Chutes que não entravam, garrafão de ataque interditado, lance livre na casa dos 50%. Mas no fim dos 40 minutos, o Brasil superou tudo isso, incluindo a dupla adversária Nicolas Batum e Boris Diaw, com uma defesa agressiva, absoluto nos rebotes e equilibrado na frente – somente na segunda etapa -, para vencer a França por 65 a 63 (28 a 26), na estreia da Copa do Mundo da Espanha, com grandes exibições de Raulzinho, Huertas, este autor de 11 pontos no quarto decisivo, e Marquinhos.

O armador do Barcelona foi o cestinha do jogo com 16 pontos e cinco assistências. Com nove pontos e seis rebotes, Marquinhos, com 10, e Leandrinho e Varejão, com oito, também contribuíram ofensivamente. Na defesa, o pivô dos Cavs e Nenê foram os donos dos rebotes com nove e oito, respectivamente. Boris Diaw, com 15 pontos, e Nicolas Batum, com 13, foram os melhores anotadores da França.

O Mundial não começou bom para o Brasil. Sem conseguir achar espaço no garrafão francês, a equipe precipitou seus três primeiros ataques, só marcando uma vez com Splitter, em um dos dois lances livres que arremessou. Alex em cima de Batum e Nenê em Diaw tentavam segurar a dupla, mas sem êxito. O ala-pivô dos Spurs ganhou seus duelos iniciais com o pivô dos Wizards. A França abriu 12-3 nos primeiros cinco minutos, obrigando Rubén Magnano a pedir tempo. O Brasil melhorou defensivamente, principalmente com a ida de Diaw para o banco e a entrada de Leandrinho, que não desgrudava de Batum. Mas o ataque não funcionava nem dentro nem fora. No fim, vantagem de sete para os europeus (18 a 11).

Mais consistente na defesa, o Brasil freou o ataque francês, que não teve Batum em quase todo o segundo quarto, poupado, e equilibrou o jogo. A intensidade atrás era tão grande que os franceses só pontuaram oito vezes no quarto, que teve vitória da equipe verde e amarela por 17 a 8. Uma bola de três de Leandrinho deixou o time dois atrás (18 a 16) ainda no início. Mesmo instável na frente, a virada veio com um chute de Raulzinho, autor de quatro pontos seguidos. A torcida dos Les Bleus se calou, a espanhola decretou apoio aos sul-americanos, que poderiam ter ido para o vestiário com uma vantagem maior, caso não tivesse desperdiçados oportunidades no fim (28 a 26). Batum foi o cestinha com sete pontos e Leandrinho, logo atrás, com seis.

Magnano voltou do intervalo com Raulzinho como titular. O menino, de 22 anos, e em seu segundo Mundial mostrou desenvoltura de gente grande e comandou o quinteto brasileiro com muita velocidade e precisão nos passes, fazendo o ataque fluir, principalmente com Splitter. A França focava seu jogo na dupla Batum/Diaw, de volta à quadra. O ala dos Blazers, mesmo muito marcado por Alex, era o que mais incomodava. Restando pouco mais de dois minutos para o fim, Splitter deixou o jogo e foi atendido pelos médicos da seleção na altura da panturrilha. Nenê entrou em seu lugar para marcar seus cinco primeiros pontos na partida e ajudar na vitória parcial do Brasil por 46 a 41.

Os últimos dez minutos foram nervosos. Atrás no placar, a França praticamente só jogou com suas duas estrelas. Diaw chegou ao seu 13º ponto com os cinco seguidos que meteu. O Brasil respondeu com duas bolas de três – Marcelinho Huertas e Marquinhos. Até a metade do quarto, a diferença no placar se mantinha na casa dos cinco pontos. Depois de oito minutos fora (somando terceiro e quarto quartos), Splitter retornou dando sinais que só sentiu fadiga muscular.

O confronto mantinha-se equilibrado, e os brasileiros ganharam um jogador a mais, definitivamente. A cada ataque da França, vaias. Mas Diaw não estava nem aí para isso e continuava a infernizar. Só que do outro lado, Huertas também cresceu e passou a anotar pontos, foram 11 nos últimos 10 minutos. Marquinhos também manteve o nível do companheiro. Sem opção, os franceses começaram a fazer faltas e se aproximaram do marcador com alguns erros de fundamento do time de Magnano, que apresentou um aproveitamento no quesito de 58% (14/24).

Restando um segundo para o fim, Diot meteu uma de três e trouxe a diferença de quatro para um ponto (64 a 63). Na saída de bola, Marquinhos recebeu falta e foi para a linha de lances livres. O ala converteu um e errou outro, mas o rebote de Diaw não foi o suficiente para um novo ataque da França, que viu a estreia brasileira com uma vitória por 65 a 63. Neste domingo, o confronto será contra os iranianos.

Escalações:
França: Thomas Huertel, Nicolas Batum, Mickael Gelabale, Boris Diaw e Joffrey Lauvergne. Entraram: Antoine Diot, Edwin Jackson, Evan Fournier, Charles Kahudi, Rudy Gobert e Florent Pietrus. Tec: Vicent Collet.

Brasil: Marcelinho Huertas, Alex, Marquinhos, Nenê e Tiago Splitter. Entraram: Raulzinho, Larry Taylor, Marcelinho, Leandrinho, Guilherme Giovannoni, Rafael Hettsheimeir e Anderson Varejão. Tec: Rubén Magnano

 

Crédito: Globo

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat