• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Brasil empata com o Uruguai no hexagonal

 Brasil empata com o Uruguai no hexagonal
Digiqole ad

O discurso antes de enfrentar o Uruguai era evitar entrar no “jogo sul-americano”, com catimba e imposição física. Mas foi justamente desta maneira, utilizando as armas do rival, que o Brasil conseguiu um empate em 0 a 0 com a Celeste, pela primeira rodada do hexagonal do Sul-Americano sub-20, nesta segunda-feira, no estádio Centenário, em Montevidéu.

 

Depois da derrota por 2 a 0 na primeira fase, o Brasil aprendeu a lição. O técnico Alexandre Gallo escolheu uma formação ofensiva, com quatro atacantes (Kenedy, Thalles, Gabriel e Yuri Mamute), e um time mais robusto fisicamente, o que ajudou a escapar da pressão uruguaia. Outro artifício foi a tranquilidade, friamente calculada na demora de Marcos para bater o tiro de meta, ou nos valiosos segundos perdidos nas cobranças de falta e escanteio. A cera, desta vez, foi brasileira.

O resultado deixou o Brasil empatado com Uruguai, Colômbia e Paraguai, todos com um ponto – cafeteiros e guaranis também ficaram no 0 a 0. A Argentina lidera o hexagonal, após vencer o Peru por 2 a 0. Na próxima rodada, os brasileiros enfrentam os paraguaios, quinta-feira, no estádio Parque Central.

Se a força física e a catimba do Brasil funcionaram, o Uruguai pouco ameaçou nas jogadas aéreas e não conseguiu se impor. A Celeste manteve seu estilo rápido, com correria e passes longos, ditados pelo meia Arambarri, mas pouco pressionou a seleção. A própria torcida local, que compareceu em bom público, estava fria: participava pouco, a ponto de torcedores brasileiros conseguirem fazer barulho no estádio.

Mesmo com a escalação ofensiva, o Brasil esteve equilibrado. Gabriel era o responsável por recuar o meio de campo na parte defensiva, e o desafogo vinha pelas pontas. Em contragolpes, a seleção criou as  melhores chances do primeiro tempo – em uma delas, aos 27 minutos, Yuri Mamute escapou da falta, arrancou e rolou para Thalles pedalar e chutar para boa defesa de Guruceaga.

O segundo tempo foi mais aberto. O Brasil manteve o nível da atuação, e chegou a melhorar quando Marcos Guilherme entrou no lugar do sacrificado Gabriel. O baixinho do Atlético-PR, artilheiro da equipe  no torneio, com três gols, deu mais velocidade ao time e apareceu bem na área para finalizar duas vezes.

Por outro lado, a marcação brasileira afrouxou. E o Uruguai, com seu estilo direto, começou a chegar com facilidade. Aos 25 minutos, Facundo Castro recebeu livre na área, após cruzamento e chutou à queima-roupa. Marcos mostrou reflexo e fez grande defesa.

No fim, o nervosismo passou a ser predominante. Os dois times começaram a se impacientar e errar muito, sem criar chances perigosas.  O empate ficou de bom tamanho para ambos.

 

Crédito: Globo

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat