• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Australiano cria “esculturas” com descargas elétricas

Digiqole ad

Um médico australiano e físico amador cria imagens inusitadas usando raios de alta voltagem e o próprio corpo em sua casa, numa zona rural do interior da Austrália. Com um aparelho chamado bobina de tesla – um transformador que gerar alta tensão – Peter Terren transforma energia elétrica doméstica em um raio super potente que pode chegar a 500 mil volts, formando as “esculturas elétricas”.

A carga elétrica passa pelo corpo de Terren, que usa uma camada de folhas de alumínio do tipo usado em construções por baixo da roupa para protegê-lo de choques. O alumínio conduz a eletricidade até o solo sem provocar desconforto no médico. Em outras obras, Terren fica dentro de gaiolas de metal, para evitar o contato elétrico.

“Este é meu hobby, nada mais”, disse Terren à BBC Brasil. “Minha família não se preocupa mais porque faço isso há anos. Eles só não gostam se afetar o sinal da TV”, brinca ele.

Na sua mais recente obra, o médico se inspirou na famosa escultura de bronze O Pensador, do francês Auguste Rodin, rebatizando-a de Pensador Moderno. Para criá-la, Terren recebe uma carga de 200 mil volts de eletricidade no corpo, que o transforma numa faísca humana durante cerca de 15 segundos.

Intensidade da corrente
“O mais perigoso não seria a alta voltagem usada, mas sim uma corrente com intensidade acima de 10 milhões de amps, o que não ocorre no caso de Terren pois ele usa correntes de baixa intensidade”, explica o supervisor da faculdade de física da Universidade da Austrália Ocidental, Jayjay Thesan, que dá suporte técnico às experiências do médico.

“Não é perigoso porque ele faz com muita segurança e sem envolver ninguém”, afirma ele. Terren disse que, como não tem vizinhos – pois mora numa zona rural na cidade de Bulbury, Estado da Austrália Ocidental – assusta apenas os cangurus nos arredores cada vez que experimenta uma novidade.

Eu me descrevo como um “artista de alta voltagem”, disse ele. O médico, que se diz um “estudante do primeiro ano de física que abandonou a faculdade”, explicou que quanto mais alta a voltagem, mas facilmente a eletricidade passa pelos objetos.

“Se a voltagem for alta o suficiente, passa pelo ar e o ioniza, formando as correntes de raios, como vemos nas fotos”.

“Sou muito cuidadoso. Nunca recebi grandes choques”, comentou. Uma das obras mais visitadas no site de Terren é Proteção contra ladrões de carros, onde o australiano aparece conectando uma bobina de tesla no teto do carro, formando um anel elétrico em volta do veículo.

No entanto, a experiência que Terren descreveu como a “mais aventureira” foi na piscina. O médico entrou na água e recebeu raios elétricos na cabeça, protegida por um chapéu de lata com alumínio. “Pareceu perigoso, mas foi muito seguro. Não faço nada perigoso. Não gosto de correr riscos”.

 

Crédito:

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat