• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

Audiência discute flexibilização da Voz do Brasil

Digiqole ad

O advogado e conselheiro da Abert Alexandre Jobim defendeu a flexibilização do horário de transmissão do programa A Voz do Brasil, durante audiência pública realizada na Comissão de Direitos Humanos do Senado, nesta segunda-feira, 20.

Um projeto de lei da deputada Perpétua Almeida (PC do B – AC) permite a veiculação entre 19h e 22h. Aprovado no Senado na forma do substitutivo do então senador Sérgio Zambiasi (PTB-RS), o texto voltou à Câmara dos Deputados, onde aguarda votação final pelo plenário.

O conselheiro da Abert esclareceu que a radiodifusão reconhece o valor programa para a população brasileira. Por isso, o setor defende a ampliação dos horários para a sua transmissão, o que beneficiará as rádios e o atenderá ao interesse público. Ele lembrou que a audiência da Voz do Brasil cai drasticamente durante a sua veiculação, às 19h, quando a maioria das pessoas ainda está em trânsito.

“A flexibilização pode beneficiar, inclusive, a própria Voz do Brasil, devido às diferenças dos vários públicos das rádios nesse horário. Não somos, de forma alguma, contra a Voz do Brasil. O que queremos é a flexibilização”, explicou.

De acordo com Jobim, às 19h os ouvintes estão em busca de informações sobre o trânsito local, música e outros programas de entretenimento, como, por exemplo, a transmissão de jogos de futebol.

Para ele, com o crescimento do número de veículos de comunicação e o surgimento da internet, a imposição da transmissão às 19h está ultrapassada.

Outras entidades da sociedade civil , além da senadora Ana Rita (PT-ES), manifestaram posição contrária à proposta que flexibiliza o programa. Autora do requerimento da audiência pública, a senadora defende o PL 19/2011, que torna o programa Voz do Brasil patrimônio cultural e imaterial do país.

De acordo com o secretário de imprensa da Presidência da República, José Ramos, embora ainda não tenha uma posição sobre o projeto, o governo teme pelo engessamento do programa se ele se tornar patrimônio imaterial.

A presidente do Instituto do Patrimônio Histórico Artístico e Nacional (Iphan), Jurema Machado, explicou que um programa radiofônico não se enquadra nos requisitos de patrimônio imaterial.

Segundo ela, houve um equívoco na elaboração e no conceito da proposta, que, se for aprovada, poderá ser alvo de questionamentos legais, tanto por questões de tombamento como de registros de patrimônio imaterial, que são prerrogativas exclusivas do Executivo e não podem ser feitos por via legislativa.

 

Crédito: Miro Santos/Radio Esmeralda

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat