• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.2828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

A três passos de sonho, Andrade mantém personalidade de ‘interino com resultado’

Digiqole ad

Dez a cada dez jogadores do Flamengo têm adjetivos que variam de “humilde” a “sensacional” para se referir a Andrade. Basta o técnico iniciar qualquer bate-papo para entender o porquê da devoção e do altíssimo índice de aprovação interno.

A três jogos de finalizar um Campeonato Brasileiro especial, o treinador tem 13 vitórias, quatro empates e cinco derrotas à frente do time. O aproveitamento de 66% proporcionou ao Rubro-Negro uma reação capaz de dar-lhe o título brasileiro após 17 anos de fila. A equipe está na vice-liderança a dois pontos do São Paulo.

Em entrevista ao GLOBOESPORTE.COM, o técnico revelou que se sentiu fragilizado após a sequência de três derrotas no início do segundo turno e disse que, quando iguala a vontade, o time do Flamengo faz a diferença pela qualidade técnica.

A sua ficha já caiu de que o Flamengo está lutando pelo título?

Não tenho mais dúvida. Tive um início difícil, com muita desconfiança. Eu era funcionário do clube e técnico interino. Mas aos poucos os resultados começaram a aparecer e as pessoas confiaram. Agora o time firmou, temos um elenco forte e o resultado acontece novamente. Estamos brigando pelo título, dois pontos atrás, mas o São Paulo é o favorito porque só depende dele. Vamos brigar até o fim por essa diferença.

Qual time é mais forte? Flamengo ou São Paulo?

Acho que os dois são fortes e competitivos. Não vejo um superior ao outro. Queria ter dois pontos de frente faltando três jogos. Muita coisa vai acontecer, teremos surpresas nessa reta final.

O Flamengo precisa ganhar os três jogos se quiser ser campeão?
Sim, tem que ganhar os três (Goiás, Corinthians e Grêmio). É difícil porque vamos enfrentar times franco-atiradores, que não buscam nada na competição. Mas o Flamengo está bem, preparado para esses jogos decisivos. As três derrotas (Grêmio, Cruzeiro e Avaí). Tivemos contusões, lesões. Jogamos com três titulares contra o Avaí. As pessoas não querem saber disso e só julgam. Ninguém quer saber o time que estava em campo, só que era o Flamengo. Estava em momento de dificuldade e fiquei um pouco fragilizado. Mas tive o apoio da família e dos amigos para me recuperar.

Qual seu percentual de importância nesta campanha?
A parcela é pequenininha. Talvez uns 5%, 10%. A responsabilidade é dos jogadores. Eles que entram e são os artistas. Estou ali só para ajudá-los e orientá-los pela experiência que tenho no futebol. Maior mérito é deles, que se preparam durante a semana, fazem trabalho na chuva e no sol.

Você mudou de da fase de interino para o momento atual? Não, sou a mesma pessoa. Sou agora um interino com resultado. Assim fica fácil para trabalhar. Não vejo muita diferença de um interino para um efetivado porque ambos precisam de vitórias e quando se consegue isso não existe pressão e desconfiança. Tenho reconhecimento da mídia e isso me dá tranquilidade para trabalhar.

Adriano foi questionado pelo comportamento durante parte do Brasileiro. Você acha que teve habilidade para contornar isso e vê-lo tornar-se um jogador decisivo?
Um jogador consagrado, com Copa do Mundo foi questionado. Imagina eu, que estava começando? Ele é fácil, tranquilo e está superando no dia a dia as dificuldades que atravessa e demonstra isso dentro de campo, tanto que fez bela partida contra o Náutico. É uma pessoa importante pela liderança e pela personalidade que tem

Sem o Adriano o Flamengo chegaria tão longe?
Acho difícil. Ele é artilheiro e sem os gols dele talvez não estivéssemos onde nos encontramos. Alguns dos gols deles foram decisivos. Todo mundo sabe a importância dele, mas gostaria de enaltecer o trabalho do grupo.

A possível viagem na próxima semana é para manter o time longe da euforia da torcida?
Se for preciso vamos sair do Rio. Tinha até a possibilidade de sair nesta semana, mas não é o momento ainda. Acho que fazer qualquer coisa pensando no título é válido nesta etapa.

O que não pode faltar nessa reta final? E o que você vai dizer aos jogadores antes do jogo contra o Goiás?
Determinação, garra, vontade. Se igualarmos na pegada, em termos de técnico nosso time é diferenciado. E uma coisa importante: Fernandão disse que vai calar nossa torcida. Isso é algo que não posso deixar de falar.

 

Crédito: Globo

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat