• TEL: (54) 3231.7800 | 3231.7828 (PEDIDOS DE MÚSICAS)

40% das horas extras da Brigada Militar serão cortadas

 40% das horas extras da Brigada Militar serão cortadas
Digiqole ad

Cai para 146 mil o número de horas extras mensais acrescidas à jornada normal do efetivo da Brigada Militar nos próximos meses — até 2014, eram 243 mil. Aredução de 40% nas horas extras da BM e do Corpo de Bombeiros, ferramenta que supre a defasagem policial no Estado, foi oficializada na manhã desta terça-feira. A economia prevista nas contas do Rio Grande do Sul é de R$ 12 milhões em seis meses — período estabelecido pelo decreto de redução de gastos implementado pelo governador José Ivo Sartori (PMDB).

 

Desde a assinatura da medida que restringe despesas, no dia 2 de janeiro, as horas extras de policiais militares e bombeiros estavam limitadas a 60% dos gastos do primeiro semestre de 2014 — medida polêmica em função do receio de redução de policiais nas ruas. Porém, segundo o subcomandante-geral da Brigada Militar, coronel Paulo Moacyr Stocker dos Santos, as horas adicionais não vinham sendo aplicadas desde então.

Agora, a redistribuição dos horários foi definida em reunião na noite de segunda-feira entre o Comando Geral e os Comandos Regionais da corporação. Stocker garante que, apesar do corte, o policiamento não será afetado.

— Em momento algum se mexe no policiamento normal da cidade. O policiamento de rua permanece 100% inalterado. O que pode ocorrer é alguma redução na excepcionalidade.

Conforme o subcomandante-geral, entre as exceções ao policiamento de rotina estão eventos como manifestações, jogos de futebol, procissões religiosas e operações especiais para combate ao crime. Ao ser questionado se haveria redução no efetivo em eventos desta natureza, ele negou.

— Em algum momento, em algum evento menor, de menor potencial ofensivo, vamos reduzir o efetivo. A comunidade não vai sentir absolutamente nada. Não terá diferença no seu atendimento, no resultado, nos indicadores. Em absolutamente nada — reafirmou.

O coronel também afirmou que, caso seja necessário, a BM pode pedir ao governo uma “suplementação” — ou seja, uma flexibilização ao decreto para ampliar o número de horas extras. Sobre o fechamento de um posto dos bombeiros em Canoas na semana passada por falta de efetivo, Stocker apontou que a medida foi “desnecessária” e que “faltou diálogo”.

Presidente do sindicato teme falta de efetivo

Em frente ao Palácio Piratini — a 800 metros de distância do Quartel Geral da Brigada Militar, onde o subcomandante anunciava as medidas —, o presidente da Associação de Cabos e Soldados da BM (Abamf), Leonel Lucas, protestava com um grupo pela convocação de aprovados em concursos da BM e do Corpo de Bombeiros — reflexo, também, do decreto que enxuga gastos.

— Quem vai ter o maior prejuízo é a população, com a falta de efetivo. Depois, vem o brigadiano, a quem faltará um colega do lado — disse Lucas.

 

O presidente do sindicato estima que, de cada cinco policiais militares, quatro fazem horas extras no Rio Grande do Sul. O saldo costumava ser de 42 horas a mais por mês.

 

 

Crédito: ClicRBS

 

Digiqole ad

Relacionados

Open chat